compartilhar
27 de abril de 2013 12:41 AM

Direito de greve

As greves aumentaram e a repressão dos patrões também. No Brasil, está proibido fazer greve.
Trabalhadores da construção civil das obras do PAC da Usina Hidrelétrica de Jirau fizeram no ano passado uma greve contra as péssimas condições de trabalho e a escravidão no canteiro de obras. A Força Nacional de Segurança foi enviada pelo governo do PT para reprimir a greve e 28 trabalhadores foram presos e estão sendo julgados como criminosos. Trabalhadores desaparecidos, vistos pela última vez nas mãos da polícia, foram considerados foragidos, quando na realidade são desaparecidos políticos. A mesma coisa ocorre em todos os canteiros de obras do PAC, onde a situação de trabalho é a pior possível e a repressão cada vez maior.
Nos bancários, dezenas de trabalhadores foram demitidos apenas por fazer parte do movimento sindical. O Banco do Brasil e a Caixa Econômica e os bancos privados instauraram um verdadeiro regime ditatorial nos setores.
Além das demissões, a forma de perseguição ao movimento operário mais comum tem sido a intervenção do judiciário nas greves. No Brasil, está proibido fazer greve. Já são dezenas os casos de categorias que tiveram seu direito de greve atropelado pelo Poder Judiciário. Nos Correios, o TST, há três campanhas salariais, vem intervindo nas greves, impondo derrotas aos trabalhadores. Em algumas categorias, como os metroviários, o judiciário chegou a estabelecer que 100% da categoria deveria trabalhar, o que em si já em um ataque ao direito de greve.

• Liberdade aos presos políticos do Jirau e de todas as obras do PAC;
• Fim da perseguição política;
• Reintegração de todos os demitidos;
• Fim da intervenção do Judiciário nas greves.