compartilhar
de de

Excesso de serviço
ECT não quer dar dois dias de folga para quem trabalhar nos domingos e feriados
Direção da ECT está dando o golpe nos trabalhadores que estão trabalhando nos domingos e feriados, pois quer pagar em dinheiro e não deixar o trabalhador optar pelos dois dias de folga

Se não bastasse o fato da direção da ECT estar sabotando de propósito a empresa, inviabilizando o concurso público para não contratar trabalhadores concursados, sobrecarregando os trabalhadores que estão na ativa, que estão sendo convocados para trabalhar nos finais de semana e feriado, agora a direção da ECT também quer passar por cima dos direitos dos trabalhadores.

Os trabalhadores que estão sendo convocados para trabalhar nos finais de semana e feriados, estão sendo proibidos de receber em troca deste dia trabalhado, dois dias de folga, um atentado ao direito que os trabalhadores ecetistas possuem em seu acordo coletivo há mais de 10 anos.

Na cláusula 58º do Acordo Coletivo de Trabalho dos Correios, parágrafo 2º está escrito “o empregado poderá trocar o dia trabalhado, na forma desta cláusula, pela concessão de 2(duas) folgas compensatórias”.

Como diz um certo comentarista esportivo “a regra é clara”, ou seja, não deixa dúvidas de que os trabalhadores, tendo trabalhado nestes dias, pode optar pela folga.

A direção da ECT está usando a fictícia “Crise postal” criada por ela mesma, para exigir que os trabalhadores trabalhem sem parar.

Esta maneira opressiva de administrar da direção corrupta da ECT está em acordo com a privatização da ECT, Pois já estão preparando o terreno para a transformação dos Correios de Empresa Pública, para Correios de Sociedade Anônima.

A direção da ECT tem trabalhado para desmoralizar os correios, conforme foi denunciado pelo ex - Diretor de Gestão de Pessoas, Pedro Magalhães Bifano, para poder privatizar a empresa e com isso substituir os trabalhadores concursados por trabalhadores terceirizados.

Lutar contra o trabalho no fim de semana e feriado corresponde à luta contra o objetivo da ECT de não contratar mais trabalhadores concursados, para que a contratação seja feita apenas de terceirizados, funcionários não tenham direitos e garantias dos concursados, para que a direção da ECT possa estabelecer um regime de trabalho parecido com o regime da escravidão.

Um trabalhador terceirizado não tem plano de saúde, não tem auxílio creche além de seu trabalho não estar submetido às cláusulas trabalhistas garantidas no ACT-Acordo Coletivo de Trabalho. O direito de folgar dois dias, se o trabalhador for trabalhar nos finais de semana e feriados só vale para os trabalhadores concursados, pois quando os trabalhadores reivindicaram que a empresa desse os dois dias de folga por um trabalhado tinha como objetivo colocar dificuldades para que a ECT abusasse da convocação nestes dias, no entanto a empresa pode convocar o trabalhador terceirizado e pagar do jeito que quiser.

Mesmo conseguindo que a direção da ECT cumpra a norma para o trabalhador concursado, a direção da ECT pode usar o terceirizado para levaros concursados a fazerem o trabalho.

Por isso é necessário uma campanha de filiação dos trabalhadores terceirizados aos sindicatos da nossa categoria.

Para ganhar esta luta contra a convocação dos trabalhadores dos correios para trabalhar no final de semana e feriados é necessário envolvermos os trabalhadores terceirizados, que com certeza a direção da ECT tem o plano de utilizá-los contra nossa luta, na medida em que os trabalhadores concursados fazem campanha pelo sábado livre, contra a convocação nos finais de semana e feriado, a direção da ECT vai contratando vários trabalhadores terceirizados para exigir que estes trabalhem nos finais de semana e feriado.

- Contra a convocação nos finais de semana e feriados;

-Contra a terceirização,

-Organizar os terceirizados para que a direção da ECT garanta aos terceirizados todos os direitos que os trabalhadores dos Correios possuem inclusive a sua incorporação aos quadros de funcionários da empresa.

-Contratação de no mínimo 30 mil funcionários para o setor operacional, através de concurso público;

-Contra os Correios S.A, Contra a privatização da ECT;

-Por um Correio Público, Estatal e de qualidade, controlado pelos trabalhadores,

através de eleição direta a todos os cargos de confiança, desde Presidente da ECT à Supervisor de Operação, com mandatos revogáveis pelos próprios trabalhadores.