compartilhar
de de

Gérson Lima
“Nós queríamos nesse 1º de maio reforçar a aliança operário e camponesa e conclamar a todos os trabalhadores, mulheres, estudantes a apoiar a luta dos camponeses pobres pela terra e pelo fim do latifúndio”
Gérson Lima, dirigente da Liga Operária, dá o seu apoio ao ato independente e classista do PCO, ressaltando a necessidade da aliança operária e camponesa contra a burguesia e os latifundiários. Publicamos aqui um trecho do seu discurso
É com muita satisfação que trago aqui a saudação vermelha, classista e combativa da Liga Operária nesse ano ao Partido da Causa Operária e a todas as organizações aqui presentes.

Nós queríamos saudar o internacionalismo proletário, saudar a memória dos mártires de Chicago, eles que verteram seus sangues pela jornada de trabalho de oito horas e pela libertação da classe operária.

Repudiamos a deformação, a deturpação dessa data pelas centrais sindicais governistas, pelegas e traidoras que financiadas pelos governos, pelos bancos, pelas grandes empresas estão deturpando essa data realizando grandes festas, shows com artistas, sorteios de carros, apartamentos, para poder difundir a conciliação de classe, para poder vender a imagem de apoio popular a essa política de destruição de direitos. Irmanamo-nos com essas denúncias que os companheiros do Partido da Causa Operária fazem destes atos pelegos, de atos em defesa da FIESP, dos patrões, da grande indústria do nosso país. Nós queríamos nesse 1º de maio reforçar a aliança operário e camponesa e conclamar a todos os trabalhadores, mulheres, estudantes a apoiar a luta dos camponeses pobres pela terra e pelo fim do latifúndio. Nós acreditamos também que a revolução agrária, integrado a revolução democrática ininterrupta ao socialismo é uma necessidade inadiável e o único caminho de tirar o Brasil da crise e o povo da miséria.

Esse momento de escancarada crise esse é o momento de mobilização, de politização e de organização das massas, não é o momento de procura de soluções mágicas e inexistentes para a crise desse podre sistema, nem de remendar o capitalismo como almeja o imperialismo e seus lacaios de plantão como o senhor Lula e outros mais.

O momento é da força, da aliança operária e camponesa e da revolução agrária e democrática ininterrupta ao socialismo. Nós vemos que enquanto o nosso povo é submetido às piores condições de vida.Viva a luta classista, combativa e independente! Preparar a greve geral contra o arrocho, a miséria e o desemprego! Viva a memória dos mártires de Chicago! Viva a aliança Operária e Camponesa! Viva a Revolução Agrária!